terça-feira, 25 de março de 2014

#1 - WCT 2014 - TOPO DO MUNDO

O Brasil domina os 2 rankings mundiais! Gabriel Medina lidera o ranking do WCT e Adriano de Souza lidera o ranking do WQS

Histórico!

Esse inicio de temporada, aliás, tem sido digno do apelido dado para a trupe nacional no circuito mundial. Storm. Na base da porrada, temos nada menos que 30% de brasileiros entre os top 10 de ambos os rankings...não, não é pouco.




A primeira etapa do WCT de 2014 foi histórica. Nas palavras de Jad Smith, foi uma das maiores vitórias da história do surf. Foi carregada de emoção, viradas históricas e zebras. Mas vamos com calma.

Antes de mais nada interessante observar que lá na Austrália os caras tiveram que recorrer a $$$ pública, BOQ - Bank of Queensland, smj, me parece no mínimo, de economia mista...Teco sabia disso há tempos...abre o olho de seu RH ZOESEA

Quanto a nova plataforma da ASP, acho que teve mais prós do que contras, mas a ASP tem que aumentar dados nas suas transmissões...ficar falando só sobre o surf de fulano e ciclano em bases subjetivas é chato, vide o presente blog. 

Informações como velocidade do cara, tempo de tubo, mais e mais ângulos, especialmente on board e aéreas tem que fazer parte do show. Coloquem lá GPS nas bóias, micro câmeras nas lycras, dá-se um jeito. E já que falam de prancha porque não dar uma força e deixar uma declaração do próprio shaper pré gravada e editada, falando da bóia, posição, tamanho e quantidade de quilhas, volume, borda, rabeta, etc...

A velocidade dos vídeos é um dos pontos negativos, o contrato com o youtube pode ter beneces, mas velocidade não e uma delas especialmente no heat on demand...sugiro dar uma olhada no site da Band. Os vídeos do "Custe o que Custar" baixam em segundos...

Se no futuro a ASP pretende comercializar pacotes para a transmissão das etapas é importante ir praticando a relação de consumo que já existe com os fãs. Qualquer mudança tem que ser consultada...enquetes são ferramentas importantes para entidades como a ASP...


 

Há de se ter ainda o compromisso de filmar todas as ondas por ao menos 3 ângulos no minimo...e não só pro publico, deixar o juiz julgar sem provas é uma coisa tão irreal que é difícil pra um advogado imaginar...tem que deixar os caras falarem a nota que acham que é independente da diferença entre eles...Quero muito ver um cara dar 10 e outro 8,5.

O excesso de comerciais foi muito mal falado nas redes sociais, já que tem tanta propaganda, deixa 5 min entre baterias para isso e diminui os anúncios durante o heat...

SURF

Deixaram Kieren, o Conspirador com o poder de decidir quando a raça entra na agua...me desculpem os fãs do Kieran (acho que é só o Gilvan), mas acho arriscado deixar um cara que praticamente só se destacava em mares bons decidir esse tipo de coisa. Caras como Hardman e Freedman, imagino, tem muito mais jogo de cintura que Perrow para decisões como essa.

O inicio do campeonato foi bem morno. Resultados dentro da normalidade, com exceção de um apático Jordy, um reforçado backside de Patacchia, tudo correu como o esperado. Mick perder para Reynaldo não é zebra. De estranho a insistência da juizada em premiar o surf alisabel do CJ...

Na fase 2 tivemos uma zebra do tamanho de um paquiderme com Travis eliminando JJ. E Tiago Pires eliminando Jordy Smith. Não que o portugues não tenha surf para eliminar Jordy, longe disso, mas Jordy vinha inflado para esta temporada, enquanto Pires volta de lesão das mais graves e quase um ano sem competir. Filipe perder para Crews também foi estranho...Vale mencionar que Mineiro venceu Aritz, mas com muita reclamação dos fãs do Europeu numa onda que realmente foi julgada abaixo do que merecia...Coisas que mostram como Mineiro é, de fato, um dos grandes, contra quem não basta vencer...tem que convencer.

 

Na fase 3 é que as coisas realmente começaram a ficar interessantes. Após batalhas bem legais, como a dos powers Fred x Michael, a dos freaks Mick x Dane, tivemos um confronto que mostrou como forças outrora equivalentes hoje estão bem distantes.

Na bateria contra Adriano, Flores mostrou que estava atento à prioridade e impediu Mineiro de ir numa onda. O francês só não esperava uma reação tão imediata e proporcional do brasileiro que devolveu na mesma moeda a atitude, só que numa onda de potencial muito maior e já com uma manobra boa na conta. Jeremy reclamou, mas a realidade é que não se brinca com Mineiro assim, ainda mais na especialidade dele. 

Mas o legal mesmo da fase 3 veio nas duas últimas baterias. Primeiro Miguel deu aula de competição em Owen. No melhor estilo KS, ele fez um somatório razoável logo no inicio e deixou o ozzie nas cordas o tempo todo. Acabou extraindo a melhor nota do dia do adversário (mostra a força com que Owen retorna) mas não o suficiente para a virada sobre um Pupo muito mais forte e preciso no trato às direitas.

E finalmente o empurrãozinho no Joel, o Querido. A primeira nota do ex campeão do mundo passou longe dos 7 e pouco recebidos. Azar do estreante Atkison que surfou para vencer e convencer mas não levou justamente por ser estreante contra um dos top 5.

O bicho pegou mesmo no dia final. Preparo físico foi a palavra de ordem.

Miguel Pupo estava com surf para fazer as finais, mas a bateria extra contra Kerr, apesar do show, lhe custou energia essencial para as quartas contra Joelito.

Mineiro, que assim como Medina pulou a fase 5 com uma boa carimbada no careca pôde repetir a dose contra KS no mesmo dia. Desde 2010 que o sanguinolento não sabe o que é vencer mineiro numa heat homem a homem...só faz isso com o careca quem pode...não se engane.

Os gringos (especialmente Ross Willians) falaram muito que Medina estava aprendendo a perder, que em cada derrota aprendia alguma coisa e motrava maturidade e bla, bla, bla. Bom, então...nessa etapa ele não aprendeu nada. 


 

No mesmo dia ele bateu o atual campeão do mundo por duas vezes, a eterna promessa Taj e o ex campeão do mundo, todos australianos, todos com conhecimento e finais de sobra nesta onda.

Na final venceu de virada, contra um local, praia cheia e precisando trocar duas notas pra tentar qualquer coisa...Gabriel chegou ao topo do mundo. Emocionante...A principal arma de Gabriel neste evento não passou desapercebida. Apesar de extremamente radical e de manobras violentas, seu surf estava com os pés no chão. 

Com a maestria que lhe é contumaz, Tulio Brandão descreveu o que chamo de Síndrome de Jadson. Que nada mais é que um passo atrás da entidade (ASP) para segurar os acrobatas do surf. Se deixassem que aéreos rodando na finalização gerassem notas acima de 8 Jadson já era campeão do mundo, já que foi (é?) o melhor finalizador do Tour em ondas para a esquerda.

Gabriel preferiu finalizar as ondas com batidas e reentries ao invés dos voos que estávamos acostumados a ver, cuja margem de acerto já chegavam a incríveis 80%. É até estranho falarmos que o surf que vimos de Medina nesta etapa foi convencional, mas foi. Apesar de impressionante, foi o surf convencional e bem executado que venceu.

Ainda mantenho a opinião de que as atividades fora da agua podem prejudicar a concentração do atleta, mas uma coisa é certa, todos vão querer o episódio do "Mundo Medina" relativo a esta vitória...

BRASILEIROS

Alejo Muniz - O catarinense continua com a linha impecável e manobras explosivas, mas terá que afinar sua escolha de ondas para subir no ranking. Principalmente após uma queda numa onda boa, como aconteceu contra Pupo. Cair nunca é uma boa neste nível de competição, mas é preciso ter poder de reação.



Alejo. Foto. K. Scholtz




 

















Filipe Toledo - O homem de uma onda só. Exagero meu, claro. Mas Filipe não conseguiu 2 boas para seu somatório nesta etapa. Tinha um 8 alto na primeira e não conseguiu outra para somar. Seu destino seria outro caso fosse direto para a fase 3...prova disso foram as expressions sessions. Não se achou na bateria da fase 2, acontece. Ver a evolução competitiva de Pupo é uma boa para o jovem Toledo...quando ele acha 2 boas é osso segura-lo.




F. Toledo. foto: K. Scholtz


 



















Raoni Monteiro - As marolas de snapper pareciam fracas para empurrar o power surf do local de Itaúna. De repente uma repaginada nas bóias é o caminho. Outros materiais, sei lá...surf todos sabemos que ele tem, mas Raoni parecia mais lento que o normal, e isso muitas vezes é culpa do equipamento. Margareth River fará bem a Raoni...vai vendo.






Raoni. foto. P. Felizardo


 


Jadson André - Definitivamente o lugar deste potiguar é ali...entre os melhores. Em ondas que permitem um ataque agudo e vertical Jadson sempre se destaca. Perdeu para o melhor backside de 2013, Nat, o Jovem. E perdeu surfando bem. É outro que se encaixará bem em Margareth River.





Jadson. Foto. K. Scholtz


 




















Miguel Pupo - Mudou para melhor. Se submeteu a uma cirurgia na boca visando melhorar sua respiração e, aparentemente, funcionou. O filho do vala parecia que tinha um turbo na primeira etapa do WCT 2014. Manteve a classe que o caracteriza, mas esta com um surf mais forte, arcos mais bem definidos e principalmente, BASE. Repararam como Miguel caiu pouco da prancha? Foi malandro em optar por utilizar prancha de um shaper local (JS). Não o mesmo que sacaneou Mineiro ano passado (DHD, vide Fluir 340). Mas funcionou. Jamais dependerá do cara, já que tem um shaper de primeira linha em casa, mas é bom melhorar seu arsenal conforme o pico em que compete. (valeu @Hyurimaccari)





Miguel Pupo. Foto. K Scholtz


 


















Adriano de Souza - 3 etapas, 3 pódiuns. Foda? Não para Mineiro. Final num reef break, final num beach break e semi final num point break. Ritmo. As opções que Adriano fez para 2014 deram resultado imediato. Mais tempo de Hawaii nunca é demais. Seu desafio agora é a manutenção dessa regularidade. Fanning fez escola e acho que esse ano Mineiro será mais carne de pescoço do que nunca. KS sabe disso e desejaria enfrentar Mineiro com 20 anos a menos nas quilhas...





Adriano de Souza. Foto. K. Cestari


 

















Gabriel Medina - O atual campeão mundial pro-jr é líder do mundial. Pode até não ser esse o ano do Medal, mas e daí? Ele foi campeão mundial pro-jr ano passado. Olha a idade do moleque! Seu rival mais parecido, JJ, tem 3x menos vitórias do que ele...A questão é a evolução de Medal e equipe. Enquanto Medina fez o que a juizada queria ver e não o que podia fazer. Charles, a exemplo de Peterson Rosa na histórica semi final do WCT Rio 2013, se controlava e não demonstrava nada do que estava sentindo, apesar de ser alvo constante das câmeras locais. Não se enganem, tudo isso conta...e como.






Gabriel Medina. Ganhei?!? Foto. K. Scholtz






 















Quiksilver Pro Gold Coast 2014

1 Gabriel Medina (Bra)
2 Joel Parkinson (Aus)
3 Taj Burrow (Aus)
3 Adriano de Souza (Bra)
5 C.J. Hobgood (EUA)
5 Mick Fanning (Aus)
5 Kelly Slater (EUA)
5 Miguel Pupo (Bra)
9 Fred Patacchia (Haw)
9 Mitch Crews (Aus)
9 Nat Young (EUA)
9 Josh Kerr (Aus)


sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

TOP 34 2014

Na véspera do inicio da disputa pelo 39º Título Mundial de Surf Profissional, a primeira postagem do ano no blog trata dos TOP 34 do mundo que disputarão a temporada 2014.

Como novidade o ex competidor Kieren Perrow assume cargo na direção da ASP e desde logo extingue com o famigerado (e inútil) ranking unificado. Mesmo com um ano de atraso, a decisão é valida para evitar as confusões que o ranking vinha gerando desde a extinção da rotação ao meio do ano.

Não adianta, o surf não é um esporte fácil de ser seguido. Muito dificilmente quem não é um fã mais ou menos do esporte procura saber o que houve ou quem esta vencendo e só fica sabendo por alto das coisas quando o fato cai na boca de mídias maiores, sabe quem é KS e o que é tubo e aéreo e só.

Nem tente explicar para um cidadão desses que surf de linha, bem surfado, aproveitando a onda com velocidade, power e precisão de movimentos dele e da prancha é o mesmo que um golaço com o Maracanã lotado...muito menos explicar que Mineiro venceu em Bells fazendo exatamente isso...

Em verdade, o fã de surf normal não quer saber quem esta no ranking, A, B ou C, quer saber quem é o primeiro...as vezes o segundo, o melhor brasileiro e olha lá! A meu ver simplificar é uma medida necessária para o novo grupo no comando da ASP progredir. Kieren começou bem!

A medida, a meu ver, traz bons ares ao combalido sistema da ASP, já que promove uma dificuldade a mais para a manutenção dos Tops existentes e uma "facilidade" para candidatos à elite, já que a raça de cima não poderá mais se aproveitar dos pontos obtidos em provas do CT.

Para a galera do QS valerão apenas os 5 melhores resultados para o ranking final dos 10 melhores que serão promovidos ao CT 2015.

Saiu também a lista dos "locutores oficiais". Particularmente acho uma boa medida. Familiarizar a voz e cara do surf ajuda. Veremos quem serão os "locutores oficiais" em pt...

Fato é, que agora temos uma CIA, que visa lucro, mandando no esporte, e todos os atletas hoje, são funcionários desta CIA...

Vamos aos TOPs 2014.

34 - OWEN WRIGHT - Lesionado em 2013, quase não competiu. Seu patrocinador tem feito um belo alarde sobre seu retorno. Fez uma senhora temporada em 2011. Mas não foi o mesmo em 2012 e se machucou em 2013. Deve voltar 100%, mas a falta de ritmo pode incomodar. Não sei ao certo como será seu seeding nesta temporada, mas esta info será determinante na hora da formação das chaves de competição. Se só pegar pedreira nesta inicio, pode ter um ano complicado. Não estranhem se recorrer aos QSs.




33 - TIAGO PIRES - O retorno do Tigre. Se estiver em forma e 100% recuperado costuma ser um perigo no inicio de temporada. Se tiver um seeding baixo, poderá sentir a falta de ritmo de competição, especialmente se pegar gigantes nas primeiras fases. Mas quase nada foi fácil na vida de Saca e mesmo assim chegou onde chegou. Seus surf de linha e base lip estava fazendo falta ao tour.




32 - BRETT SIMPSON - Local Hero da praia onde estão instaladas 99% da industria do surf mundial. É um cara que de vez em quando surpreende, mas este de vez em quando esta ficando cada vez mais raro. Surfa bonito, é veloz mas nunca conseguiu impressionar muito, a meu ver por falta de power. Num ano em que não poderá mais aproveitar os pontos obtidos no CT para o ranking do QS o "velho" Brett terá que ter um AS na manga...quem sabe voltar as finais de seu evento preferido, o US Open pode ajudar a mante-lo mais um ano na elite...



I Love HB: Brett Simpson from SURFING Magazine on Vimeo.

31 - DION ATKISON - Finalmente! É daqueles que batalhou muito pra chegar aqui. Sem muito apoio pelo que vemos em suas pranchas. Vem de um lugar com altas na AUS e deve dar trabalho quando o mar tiver uma condição e será presa fácil quando não tiver. Lembra muito outros ozzies sem expressão que passaram pelo Tour como Luke Hitchings, Glyndyn Ringrose e mais recentemente Dayyan Neve. Terá um ano duro pela frente e se quiser se manter na elite a vida do WQS terá que ser uma regra.



Dion Atkinson from Kane Overall on Vimeo.

30 - TRAVIS LOGIE - Fale 3 goofies do seu país melhores que o Travis. Qualquer amante do surf parcialmente informado responde este desafio em menos de 5 minutos. Particularmente acho o surf do cara chato de se ver. Lento e previsível. É obstinado, compete como poucos e contrário a todas as (minhas) previsões, continua ali, enchendo o saco da molecada. A juizada adora subir a bola dele quando ele enfrenta uma das estrelas (vide Medina em Hossegor) mas sua vida (longa) no tour esta chegando ao fim.




29 - RAONI MONTEIRO - Futuro prefeito de Saquarema. Herói de Itaúna se requalificou para a elite numa onda difícil, embora familiar, Sunset. Lidera um movimento para requerer ao Ministério dos Esportes mais atenção ao Surf. Tarefa nobre, mas muito difícil, especialmente em anos de Copa e Olimpíada. Monteiro inicia o ano com patrocínio sólido que o ajudará a pensar somente naquilo que interessa. Competir.



Raoni Monteiro - Freedom from Rafael Maduro on Vimeo.


28 - ARITZ ARAMBURU - O Basco retorna a elite após breve ausência. É muito bom em tubos, esquerdas ou direitas tubulares são um prato cheio para Aritz. Não apresenta um estilo muito bonito, mas é eficiente. Teve algumas performances interessantes em 2013, especialmente em ondas grandes. É um belo futuro caso as coisas no CT não aconteçam como planejado.



27 - MITCH CREWS - Outro que vinha batendo na porta do CT faz tempo. Cresceu na competitiva escola Australiana. Acho bom a galera ficar de olho nele. É bem completo, bem patrocinado e poderá surpreender alguns figurões nesse ano de estreia no circuito.



Two Minutes WIth Mitch Crews from Surfing Life on Vimeo.

26 - JADSON ANDRÉ - O bom filho à casa torna. Destaque no site da empresa neste inicio de atividades, mesmo após um ano de ausência. Mostra a moral que o potiguar já tem na cia. Todos saquem do que ele é capaz e do que teve que fazer para retornar e o nível em que esta retornando. Espero um grande ano de Jadson, quiçá com sua merecida volta aos Top 16.




25 - ALEJO MUNIZ - Quem lembra do Alejo no inicio de 2013, especialmente durante a perna da Australia do WQS, mal pode acreditar que o catarinense só se classificou pelo QS. O surf é meio futebol as vezes. O time pode jogar bem o jogo todo, merecer a vitória, mas se der um molezinho, pode tomar o gol de empate no final. Alejo foi um dos que mais perdeu baterias surfando bem. Perdia com um somatório que lhe permitiria passar 80% das baterias da fase. É cruel mas rola. O catarinense terminou ano em grande forma e com um resultado histórico no US Open. O Surf esta em dia e a missão de Alejo não pode ser outra que uma temporada ainda melhor do que a do ano de estreia, com mais alguns podiuns para sua coleção.



Alejo Muniz - Hurley - North Shorts from Alejo Muniz on Vimeo.

24 - KOLOHE ANDINO - Sera que ele é...o próximo KS? Não. Então de nada adiantou a pressão da imprensa gringa? Adiantou para atrapalhar um atleta competente, que não é o KS mas é tem lugar na elite e como é novo, pode ainda surpreender em alguns lugares, assim que adquirir mais experiência.




23 - ADAM MELLING - Salvo pelo QS. Adam é de um nível parecido ao do Brett e as palavras de um servem pro outro. Adam tem mais power, mas é mais lento. Tem alguma lenha para queimar ainda no tour, mas será sempre esse operário mais ou menos.




22 - MATT WILKINSON - Matt pode mais que isso. Fechou a lista daqueles que conseguiram a vaga pelo próprio CT. É azarado pacas e surfa mais que compete. Sabe dar os aéreos mais loucos e principalmente, se promover. Maluco beleza (ou bobo da corte) da cia. Costuma começar o ano bem e ir perdendo rendimento. Olho nele na Gold...




21 - BEDE DURBIDGE - Ex Pipemasters, Ex top 5, ex vencedor de eventos e contumaz frequentador dos pódiuns pelo mundo. Parece que o melhor momento de Bede no tour já passou. Parece...O cara é sério e bem preparado, pode queimar minha lingua, mas acho que Bede hoje pegou a carteira de trabalho e só quer saber de cumprir seu horário e ir embora para casa. Isso garante aposentadoria e estabilidade, mas não promoções...




20 - FRED PATACCHIA - Bom de Hawaii. Acho que as qualidades de Fred na agua terminam aí...não é pouco. Fora da agua é articulado, sabe falar em frente as câmeras e tem um futuro promissor como comentador do esporte...mas se esta aí para ser campeão, saia fora. Só fará número...como sempre fez.



19 - MIGUEL PUPO - Deu orgulho do Miguelito testemunhar a apresentação dele em Pipe ano passado. Ainda mais sabendo que ele decidiu ali sua permanência na elite. Coisa para poucos. Seu ano foi deveras prejudicado por uma lesão no inicio do ano. Num ano 100% seu lugar é ao menos 10 posições acima no ranking.



Miguel Pupo Pipeline 14 Dez 2013 Sheylla Maduro from SurfarTV on Vimeo.

18 - JEREMY FLORES - Aguerrido. O melhor europeu da história vem lutando por seu espaço entre lesões e resultados. É sempre dos melhores quando o mar apresenta condições. E um tanto quanto previsivel quando o mar não esta aquelas coisas. É veloz, excelente tube rider e atirado. Qualidades que devem mante-lo na elite por um bom tempo. Mas se quiser algo mais...terá que se superar.



JEREMY FLORES - QUIKSILVER from chut on vous écoute on Vimeo.

17 - ADRIAN BUCHAN - Ter KS como cliente em finais é para poucos. Adrian já não é tão jovem, e tirando suas apresentações em tubos, esta ficando com um surf muito previsível e até certo ponto, lento, embora muito estiloso. É dos poucos goofies que "ganham" com a volta de J-Bay.



(HEADSPACE): Ace Buchan from The Inertia on Vimeo.

16 - SEBASTIAN ZIETZ - Estreia entre os TOP 16. Prova que há muita gente boa no QS correndo atrás e que com as mudanças de regras podem subir para a elite para ficar. Zietz entrou sem a mudança de regras e com um título da Triplice Coroa no bolso. Eram credenciais de respeito, mas não esperava tanto de Sebass, ao menos não no seu ano de estreia. Vai longe o havaiano...





15 - FILIPE TOLEDO - A posição no ranking não revela a grandiosidade de F. Toledo nesta temporada de 2013. Seus duelos contra Jordy e Mick são para guardar e fazer filme. Se apresentou em grandes arenas como se estivesse na Vermelhinha do Norte. Este moleque tão logo ganhe experiência e "corpo" será um dos grandes do esporte. Não é questão de como...mas de quando.




Filipe Toledo from Benjamin Sitten on Vimeo.

14 - GABRIEL MEDINA - Apesar de achar meio arriscado o gerenciamento da carreira com o grupo x, vemos a criação de um pop star com a invenção de logo próprio, novos patrocínios de fora do esporte, aparecimento na mídia televisiva aberta e com a criação de um programa estilo reality show em canal pago, coisa inimaginagel 20 anos atrás. A questão é o quanto isso ajuda em resultados. Neste ano de 2013 pode se dizer quando não ajudou quase nada. Incluídos aí alguns horríveis erros arbitrais, Medal perdeu várias vezes por culpa própria. Terminou o ano dando show em Pipe, mas se machucou em seguida Não creio que chegue 100% na primeira etapa. Seu lugar é entre os top 5, mas para isso as coisas precisam encaixar. Acho que terá um ano melhor que 2013, especialmente se não se forçar demais e deixar as coisas acontecerem. Já compete muito bem e tem o respeito da juizada e adversários. A pressão agora devia ser bateria a bateria. Chegará sua hora.




Gabriel Medina Rocky Point 11 Dez 2013 Marcelo Pelosini from SurfarTV on Vimeo.

13 - ADRIANO DE SOUZA -Em números já é o melhor brasileiro na história do tour. Ultrapassou o número de vitórias de Fabio Gouveia no WQS e no surf basta uma rápida busca no você tubo ou no vimeo para vermos a Evolução de Adriano. Obrigado Curren, Pottz, Gerlach, Elko e todos aqueles caras...manobras de borda...coisa fina! Adriano conta hoje com uma dos melhores arsenais do esporte. Voa como poucos, entuba muito bem e hoje tem dos melhores base/lip da turma. Além disso tem se mantido nos holofotes há alguns anos de maneira eficiante com vitórias, pódiuns e lideranças do Tour, seja no WQS, seja no WCT. Mineiro não conta com um programa em canal de TV por assinatura (ainda), mas lidera, com eficiência, o ataque brasileiro no Circuito Mundial. Começou o ano com a macaca, duas finais bem distintas, de grande e tubular a marolas mexidas, Adriano estava na última bateria do evento e lidera o ranking e demonstra que 2014 tem um inicio com o gás do inicio de 2013, esperamos que o mantenha até o fim do ano.



Surfe: Adriano de Souza é campeão do Australian Open from Cumulus TV on Vimeo.

12 - MICHEL BOUREZ - Melhor ano de Michel na cia. Fez final, semi final...faltou vencer...É outro que parece que se esforça demais e acaba se atrapalhando com isso. Possui o ataque mais OGRO do tour, seja em batidas, seja em aéreos ou carves...não tem meio termo e nunca vai ter.



Hurley House with Michel Bourez from Benjamin LUCAS on Vimeo.

11 - CJ HOBGOOD - O bom e velho Clifton James. Campeão do mundo. Depois do corte de meio de ano um tempo atrás, chegou a dizer que ia parar, que já era...deu uma bela volta por cima. Não será campeão do mundo novamente...mas vai encher o saco da molecada enquanto a cia deixar.




10 - JJ FLORENCE - O russinho havaiano esta louco para entrar no grupo dos 3 (KS, Mick & Joel). Está mesmo? Ele passa uma impressão que não está se importando tanto assim com o tour. Ele aparece mais que 90% do circuito em revistas e anúncios. Dá entrevistas falando baixo e calmo. Lembra um jovem Curren. Ainda se encaixando no esquema e ao mesmo tempo passando baterias muito mais no surf do que pela garra e determinação de competidor. Acho que ele será o melhor do mundo, só não me parece que ele quer isso para agora.






9 - JOSH KERR - Esse pode falar que "entrou no esquema". Terceiro ano consecutivo entre os Top 10. Para quem dizia que esse aerealista jamais caberia no padrão ASP de qualidade ele vem surpreendendo. Não perdeu um pingo de sua espontaneidade e adquiriu alguns traços a mais em seu surf, especialmente nas finalizações. Aposto em mais um ano entre os 10 do mundo.



JOSH KERR // EL SALVADOR from Matt Kleiner on Vimeo.

8 - NAT YOUNG - Nem a mãe do Nat imaginava o moleque finalizar o ano com duas finais, o rookie of the year e um lugar entre os top 10 do mundo. Não aposto em outro ano tão bom. Mas o moleque vai longe na cia. Assim como Ace foi um dos poucos goofies que celebraram o retorno de J Bay. Acho que 2014 ele cai no ranking, mas não para baixo dos 16 melhores. Ainda veremos o melhor ano de Nat no tour.




7 - KAI OTTON - Ano da primeira vitória no circuito. Será inesquecível para Kai. É guerreiro pacas, big rider e um dos melhores em canudos da cia, mas tem um surf ultrapassado. Não acho que se mantém entre os 10 do mundo em 2014.

 
Kai Otton from ENCYCLOPEDIA of SURFING videos on Vimeo.

6 - JULIAN WILSON - La Diva. Não é dos meus favoritos, mas tenho que reconhecer que é completo. Atirado, veloz, tem potencia nas manobras e não tem um aéreo sequer que ele não saiba fazer. Terei que me acostumar, pois Julian tem lugar entre os top 10 do mundo por muito tempo ainda.



JULIAN WILSON from Jacob Lumsdaine on Vimeo.

5 - TAJ BURROW - É Taj. A vida depois dos 30 é dura. Você voa como antes. Mas as notas já não são mais as mesmas. Venceu em 2013, mas convenhamos, não convenceu ninguém. A idade já bateu a porta da eterna promessa. Se tudo der errado ele será campeão do mundo.



Taj Burrow - Video Clip from Fiji from Mike Aronesty on Vimeo.

4 - JORDY SMITH - Esse é o cara que o trio KS, Mick & Joel tem que ficar de olho em 2014. Jordy e Adriano, na minha opinião são os melhores depois desses 3 donos do surf. Sendo que Jordy leva vantagem sobre Mineiro no quesito estilo e perde no quesito garra. Será difícil bater Jordy em J Bay no ano do retorno. Recém casado, motivado e com uma prova em casa para disputar, acho que posso indicar o sul africano como um dos concorrentes ao caneco de 2014 sem medo de errar feio.



Three Days- Jordy Smith from O'Neill on Vimeo.

3 - JOEL PARKINSON - Joel era o cara mais feliz do mundo ao passar seu trofeu de campeão do mundo ao amigo de infância ao invés de um careca yankee. Certamente prefere reconquista-lo das mãos de um amigo novamente, e para isto basta vencer em 2014. Joel estará no jogo este ano. Se mostra muito em forma e pode ser ainda mais perigoso do que em 2012. Sem pressão podemos ter esse ano o melhor de Parko.



Joel Parkinson from Billabong USA on Vimeo.

2 - KELLY SLATER - Venceu nas melhores ondas com apresentações soberbas. Talvez tenha sido quem mais se ressentiu da ausência de J Bay no tour. Com mais uma vitória no ano talvez a vitória em Pipe significasse mais que apenas a vitória em Pipe. Irônico que o careca esnobou a primeira fase de J Bay há alguns anos para correr atrás de um swell em Fiji. Sendo bem justo KS deu alguns moles durante o ano que culminaram na necessidade de vencer o ultimo evento do ano precisando que seu adversário não fizesse resultado. Ele venceu, mas Mick foi as semis da ultima etapa e deu no que deu. Sendo sócio do tour não vejo KS abandonando o tour mesmo que não vença novamente um título mundial, mas surfando como tem surfado é dificil que não vença ao menos mais um ano do circuito.




1 - MICK FANNING - Venceu porque foi o mais constante. O mais malandro e o melhor competidor. Será daqui uns 50 anos, velho Mick estará num bar qualquer da goldie bebericando uma cerva e alguém vai conseguir arrancar uma confissão em relação a rabeada sobre JJ em Pipe. Rabeada que lhe valeu uma interferencia, o terceiro lugar na bateria e a mudança na ordem dos adversários à frente no evento que decidiu o mundial. Se derem mole um quarto e um quinto título não são exageros para um surfista do calibre de Fanning.




Primeira etapa do ano começa hoje na Goldie, segue link:



http://www.aspworldtour.com/events/mct/639/quiksilver-pro-gold-coast

segunda-feira, 30 de dezembro de 2013

WCT 2013 - PIPEMASTER - TEXTO DE TOLO...

Antes tarde do que nunca...

Apesar dos pedidos de KS para pararmos com as teorias conspiratórias, venho novamente encher o saco de vocês com mais um textinho anti-ASP e seu sistema...até porque KS faz parte desse sistema. O carecones, ao menos para mim, deixou claro que faz parte da nova direção da ASP (Zosea presidida por seu ex-empresário e a Quik é a maior parceira do empreendimento) ao pedir isso, especialmente após o morde e assopra que fez (veja aqui) logo a após a vitória de Mick sobre o pobre Yadin...

Vejam bem, não acho que o título do ano esteja em mãos erradas, longe disso, Mick é, sem dúvida alguma, um dos maiores competidores que o esporte já teve. Sério e extremamente bem preparado, é o que se tem de melhor na agua hoje em dia, e em todos os fundamentos, seja na onda, dentro dela ou acima dela.


video platformvideo managementvideo solutionsvideo player

O que me deixa um pouco perplexo é como as coisas tem se desenrolado no circo da ASP. Foram várias as ondas duvidosas no ano (veja 5 exemplos aqui), sendo que várias delas foram em momentos decisivos a exemplo da onda da virada na final em Hossegor, sobre Medina e a onda da virada em Pipe, sobre Nicoll.

E o problema também não é o personagem (Mick), errar, a juizada erra com todos, o problema é quando os erros definem o final da história. A história deste ano, infelizmente, ficou marcada pelos erros de arbitragem.

Shane Dorian matou a charada durante a "explicação" do Porta: "Na hora que o Mick surfou a onda você sabia que ele tinha conseguido?" "Sim, na hora." Ou seja, a juizada recebeu a orientação de um cidadão (juiz cabeça) para dar a nota em determinado patamar...Esse lance de "head" judge é uma furada, já escrevi isso aqui, pois não vejo problema algum de um juiz dar 5 e outro dar 8...o sistema já elimina a maior e menor nota mesmo...o importante é deixar o juiz dar a nota que achou que era...se chega um "head" desses e fala, essa onda foi entre 9,3 e 9,8, quem deu a nota e o consequente título foi ele e não um colegiado de juizes, como deveria ser...é o que penso.


video platformvideo managementvideo solutionsvideo player

Mas chega de reclamar da juizada e vamos ao surf, que é o que interessa.

O CAMPEONATO

Pipe deste ano foi aquilo que se espera. Pipe, canhotas grandes rodando muito. Vacas monstruosas, tubos inspirados e competidores dando o sangue por suas notas. Épico, enfim...

Apesar do breve período de espera entre o primeiro dia de competições e o segundo, pode-se dizer que foi um campeonato relâmpago, ao estilo Peniche 2011, 3 dias foram o suficiente para contar uma história daquelas.

KS e JJ são muito fora da escala nestas condições e mostravam isso a cada bateria. A final, aliás, colocou frente a frente o passado e o presente do surf naquele lugar. Aos 41, esta chegando a hora do careca, por mais que ele seja sócio do circo, não dou mais que 2 anos de vida competitiva pro carecones, aos menos full time no tour. E seu herdeiro natural em Pipe (no circuito jamais surgirá outro careca e JJ esta mais para Curren do que para AI) é JJ.



JJ ainda não venceu ali (no WCT) mas já tem 2 Tríplice Coroas e vencerá no quintal de casa muitas e muitas vezes, quem sabe até superando os 7 triunfos conquistados pelo KS (até aqui). Jamie O, é hoje, talvez, o único que chegue junto desses dois em Pipe, mas como ele não só não compete regularmente como esta cumprindo suspensão automática da entidade máxima do esporte, não o veremos tão cedo num Pipemasters, a sina de JJ no pico se cumprirá em breve.

KS foi perfeito em todos os sentidos. Após ver sua chance de título mundial ir por agua abaixo, continuou a fazer o evento do seu jeito. Para se ter uma idéia, seu pior somatório no dia das finais foi justamente na final contra JJ, quando obteve uma nota 10 surreal (foi 9,87 pros vesgos do palanque), mas não achou uma segunda nota acima de 7, o que ainda deu a chance da virada para JJ numa boa onda para backdoor (juizada não deu porque não quis, sejamos justos!). A trajetória do careca naquele dia começou com Zietz, atual campeão da triplice coroa, que foi totalmente massacrado pelo local de Cocoa Beach.

Depois veio a desforra! Ao menos para a imaginação deste humilde escriba. KS engoliu a seco não só o título mundial de Parko ano passado, como a vitória no Pipemasters do ozzie. Não sei se ele pensa assim, como falei é imaginação minha, mas acho que a semi final desse ano foi tipo uma vendetta para o carecones...ele surfou bem o dia inteiro, mas como ele surfou neste heat, nem uma fusão JJ com Jamie O batia o cara...ele humilhou o campeão do mundo de 2012, com requintes de crueldade. Saiu de um dos tubos mais craquentos do dia, recebendo o 10 mais merecido do ano.

DESTAQUES

Como falei antes, não concordei muito com a nota da virada de Mick sobre Yadin, contudo, não posso me furtar de elogiar a atitude do australiano.

Colocado na primeira bateria do dia contra CJ (graças a interferencia malandra sobre JJ na fase anterior) o então bi campeão do mundo se atirou de maneira inconsequente em morras de mais de 10 pés, ainda se acertando na bancada e fechando muito. CJ que foi o oposto disso, acabou, no final, pagando caro por sua prudencia. A melhor onda da bateria surgiu e Mick após se atirar em várias fechadas fez um lindo tubo nota 9,5. Onda, aliás, quase identica ao 9,7 obtido contra Yadin. Nesta bateria contra Nicoll a atitude de Mick foi idêntica a anterior...mas o adversário teve a mesma atitude dele e rapidamente colocou o Mick em combinação. Com perseverança digna de campeão olímpico e uma ajuda arbitral conseguiu a virada quando ninguém mais esperava. Azar de Yadin, que merecia mais.

video platformvideo managementvideo solutionsvideo player


Miguel Pupo fez a onda da vida contra Jeremy Flores. A onda foi um 10, mas a juizada deu 9,7 e uns quebrados por pura maldade. Mais que a onda da vida, Pupo garantiu, num dos mares mais difíceis do ano, sua permanência na elite do surf mundial o que não é pouco. Pelo que vimos com a insensibilidade com que Hall foi tratado pela entidade, Miguel não poderia esperar um convite de machucado ou algo do tipo, tinha que ir à luta. E foi, e venceu! Acho que Pupo é um candidato sério a ser um Pipemasters um dia. Precisa apenas de mais quilometragem no pico (como 99% dos surfistas do tour), mas estilo e atitude ele já tem...de sobra. Perdeu para Joelito numa bateria morna, onde um 8 e pouco o salvava...

Julian Diva não foi longe, mas dos que perdeu, eu diria, foi quem perdeu melhor. Perder para JJ ali não é vergonha pra ninguém. Julian não é dos meus favoritos, mas tenho que admitir que a Diva se joga...

BRASILEIROS

Alejo Muniz, do céu ao inferno. Pode-se descrever a atuação do catarinense desta forma. A primeira bateria de Alejo em Pipe foi de sonho. Completou tubos impressionantes para backdoor e derrotou um local bem competente. Na bateria seguinte pegou Pupo numa hora bem ruim do mar, tanto que só uma boa onda foi surfada e por Miguel...cruel.

Filipe Toledo, graças a sua posição no ranking, Toledo só caiu na fase 2. Numa hora boa do mar para backdoor, acabou cometendo uma interferencia desnecessária sobre seu adversário. Porém, mesmo que não tivesse feito a interferencia Filipe não passaria a bateria, já que só achou uma boa onda (8,3), enquanto Kaimana fez duas boas ondas e fechou o caixão do ubatubense. A atitude do moleque, contudo, foi muito boa. Tem futuro na bancada.

video platformvideo managementvideo solutionsvideo player



Adriano de Souza já fez bonito no pico. Faz alguns anos que não dá sorte. Vem investindo forte em trips para lugares bons de onda e vem colhendo frutos. Sua linha de surf é das melhores e seu faro para tubos idem. Mas Pipe exige mais. Perdeu para Zietz sem muita reação. Aliás, sua menor nota, se virem no replay, é melhor que sua maior, o fato de ter dividido o pico com KS pode ter influenciado. E em sua melhor nota, não custava continuar na onda. Havia espaço ao menos para duas manobras. A melhor onda de Zietz foi um tubo parecido seguido de um aéreo. O mar estava "pequeno" e Adriano poderia ter aproveitado melhor a oportunidade. Há espaço para melhoras e o perfeccionista do Guarujá sabe disso mais que todos.

Raoni Monteiro, caiu numa hora de poucas séries e até achou uma boa onda para backdoor, mas não foi suficiente para barrar seu adversário (Bruce Irons irreconhecível), que conseguiu a virada no finalzinho. Após o show em Sunset e a heróica reclassificação, Raoni bem que merecia passar mais umas baterias em Pipe. Mas como canso de dizer, merecimento, neste esporte, não tem nada a ver com isso...

Jadson André, de volta a elite o potiguar não deixou barato e passou, com a garra que lhe é peculiar, uma bateria difícil na primeira fase, deixando Bede preocupado na fase 2, quando perdeu por pouco (ficou precisando de outra onda boa). Jadson é muito bom em tubos, não importando se é para direita ou esquerda e foi uma pena não ter achado as boas durante suas apresentações.

Ricardo dos Santos esteve irreconhecível durante sua bateria. Não sei se houve algum tipo de pressão por parte dos locais devido a confusão com Jamie O no Tahiti, ou se realmente foi uma daquelas baterias onde o atleta não se acha. Ricardo já provou que faz e acontece nesse pico e tendo outras oportunidades fará por onde...é só deixar.

video platformvideo managementvideo solutionsvideo player


Gabriel Medina, deu 2 shows. O primeiro contra Bruce Irons, que surfou bem (para seu nível atual) e o segundo show foi de competição contra JJ. Perdeu porque não chegou sua hora no pico, mas ela chegará. Na primeira bateria Medina fez de tudo, tubos bem lidos e aéreos extratosféricos. Na segunda bateria, competiu como gente grande, o que aliás é um diferencial seu contra seu "gemeo gringo". Medina compete muito melhor que JJ. Gabriel bloqueou JJ quando era para bloquear, mas Netuno queria que o polaquinho passasse a bateria e mandou outra onda no finalzinho, em seguida da onda bloqueada aliás. Há de se salientar que o havaiano teve uma escolha impecável de ondas, mas Medal fez tudo certo, competitivamente falando e só pra variar discordo frontalmente da diferença entre as menores notas de JJ e Medal.

Miguel Pupo, já falei dele no dia da final, mas teve uma apresentação forte diante de grande tensão nas primeiras fases, já que precisava de resultado nesta etapa para a manutenção de sua vaga na elite. Na primeira bateria barrou Alejo com uma boa onda surfada para backdoor e contra Kerr fez uma bateria de gente grande, finalizando com um tubão para Pipe nota 9!

video platformvideo managementvideo solutionsvideo player

RESULTADOS: 

1 Kelly Slater (EUA)
2 John John Florence (Haw)
3 Mick Fanning (Aus)
3 Joel Parkinson (Aus)
5 Miguel Pupo (Bra)
5 Yadin Nicol (Aus)
5 Sebastian Zietz (Haw)
5 Julian Wilson (Aus)
9 Jeremy Flores (Fra)
9 Kai Otton (Aus)
9 CJ Hobgood (EUA)
9 Nat Young (EUA)

Top 22 do WCT para 2014

1 Mick Fanning (Aus) - 54.400 pontos
2 Kelly Slater (EUA) - 54.150
3 Joel Parkinson (Aus) - 48.450
4 Jordy Smith (Afr) - 43.150
5 Taj Burrow (Aus) - 42.900
6 Julian Wilson (Aus) - 40.950
7 Kai Otton (Aus) - 39.600
8 Nat Young (EUA) - 38.000
9 Josh Kerr (Aus) - 36.100
10 John John Florence (Haw) - 35.150
11 C. J. Hobgood (EUA) - 34.650
12 Michel Bourez (Tah) - 33.000
13 Adriano de Souza (Bra) - 31.750
14 Gabriel Medina (Bra) - 25.000
15 Filipe Toledo (Bra) - 24.400

16 Sebastian Zietz (Haw) - 24.350
17 Adrian Buchan (Aus) - 24.200
18 Jeremy Flores (Fra) - 23.000
19 Miguel Pupo (Bra) - 18.450
19 Fredrick Patacchia (Haw) - 18.450
21 Bede Durbidge (Aus) - 16.200
22 Matt Wilkinson (Aus) - 15.950

Wildcards da ASP por contusão Owen Wright (AUS) e Tiago Pires (PRT)

Classificados pela divisão de acesso

1 Adam Melling (Aus)
2 Kolohe Andino (EUA)
3 Alejo Muniz (Bra)
4 Jadson André (Bra)

5 Mitch Crews (Aus)
6 Aritz Aranburu (Esp)
7 Raoni Monteiro (Bra)
8 Travis Logie (Afr)
9 Dion Atkinson (Aus)
10 Brett Simpson (EUA)